Sexta-feira, 18 de Abril de 2008

Sporting goleia Benfica

Sporting - 5 | Benfica - 3

SPORTING, 5
Equipa inicial:
Rui Patrício, Abel, Tonel, Miguel Veloso e Leandro Grimi; Adrien Silva (Marat Izmailov, 32 m), João Moutinho, Simon Vukcevic e Leandro Romagnoli (Derlei, 61 m); Yannick Djaló (Gladstone, 87 m) e Liedson.

Treinador: Paulo Bento.

Suplentes não utilizados: Tiago, Pedro Silva, Rodrigo Tiuí e Bruno Pereirinha.

Disciplina: cartão amarelo a João Moutinho (70 m)

Golos: Yannick Djaló (66 m), Liedson (76 m), Derlei (79 m), Yannick Djaló (85 m) e Vukcevic (90 m).

BENFICA, 3
Equipa inicial:
Quim, Nelson, Luisão, Katsouranis e Leo; Petit (Cardozo, 84 m), Maxi Pereira, Cristian Rodriguez, Di Maria (Sepsi, 64 m) e Rui Costa; Nuno Gomes.

Treinador: Fernando Chalana.

Suplentes não utilizados: Butt, Luís Filipe, Edcarlos, Mantorras e Bynia.

Disciplina: cartões amarelos a Di Maria (9 m), Luisão (55 m), Cristian Rodriguez (57 m) e Maxi Pereira (86 m).

Golos: Rui Costa (19 m), Nuno Gomes (30 m) e Cristian Rodriguez (82 m).

O Estádio José Alvalade viveu uma das noites mais emocionantes da sua curta história, com o Sporting a dar a reviravolta de 0-2 ao intervalo para os 5-3 com que garantiu a presença no Estádio do Jamor. Yannick, por duas vezes, Derlei, Liedson e Vukcevic deixaram as bancadas perto do êxtase.

A paixão pelo futebol alimenta-se destes jogos. A rivalidade entre estes dois emblemas também, com os sportinguistas a renovarem os seus votos de amor ao Clube nos gestos técnicos vitoriosos de Yannick, por duas vezes, Derlei, Liedson e Vukcevic. Numa noite épica, os perto de 40 mil espectadores que estiveram em Alvalade garantiram o direito de contar este jogo aos seus netos de uma forma apaixonada, porque estes noventa minutos vão directamente para a galeria dos Sporting-Benfica mais inolvidáveis destes quase 100 anos de confrontos.

Com Miguel Veloso a defesa-central – por impedimento físico de Polga e de Gladstone – Adrien Silva ocupou o vértice inferior do losango da equipa de Paulo Bento, que encontrou um opositor amontoado em 4x5x1, em mais uma edição das tácticas defensivas em Alvalade, já que, como os resultados este ano no Estádio da Luz tão bem exemplificam, esta é uma equipa que se comporta como as ditas «pequenas», revelando enormes dificuldades em assumir – como uma equipa grande o deve fazer – o jogo e atacar seja em que palco for.

O Sporting começou melhor, com duas oportunidades de golo, por Liedson (3 m) e Tonel (6 m), mas foi o Benfica, por Rui Costa (20 m) a inaugurar o marcador, seguindo-se, depois, um teste à paciência «verde e branca», na circulação de bola pelos corredores em busca de espaços para materializar a igualdade. Porém, na segunda incursão encarnada à área de Rui Patrício, o Benfica voltou a marcar, num cabeceamento de Nuno Gomes (30 m), aumentando ainda mais o grau de dificuldade para os «verdes e brancos», bem como a injustiça no resultado, «cheirando a Taça» no final dos 45 minutos.

O Sporting voltou dos balneários com crença e atitude, «alugando o seu meio-campo», já que a bola por nunca lá passava. João Moutinho rematou à barra (60 minutos) no início da «remontada» - com Izmailov e Derlei em campo nos lugares de Adrien Silva e de Romagnoli – em que Alvalade sempre acreditou: Yannick Djaló (68 m), Liedson (76 m), Derlei (79 m), Yannick Djaló (85 m) e Vukcevic (90 m) trouxeram justiça à uma equipa que actuou, nos últimos 45 minutos, a grande velocidade e merecendo, de forma inequívoca, a passagem à final do Jamor, onde vai encontrar o FC Porto.


Avaliação à prestação de Izmailov:

Quando entrou em campo, ainda na primeira parte, o barco estava sem rumo, correndo sérios riscos de ir ao fundo, vítima da maré vermelha. Contra a corrente ainda teve um tiro desviado para canto, deixando em aberto a ameaça do que estava para surgir no segundo tempo. Depois do intervalo, um russo foi um diabo à solta pelo flanco direito, inspirando toda a equipa a unir-se em busca da recuperação. Por acção directa, Léo deixou de subir no terrno e, porque os seus movimentos tiveram saída para o meio, foi dando ao Sporting vantagem numérica nas acções centrais, junto à grande área. Não sendo fácil de encontrar o momento exacto e o maior responsável pela reviravolta, o nome de Izmailov surge como o mais óbvio para explicar a metamorfose de um jogo que começou com dominio imperial do Benfica e terminou com cinco golos do Sporting em 26 minutos. Mesmo sem ter marcado, foi o mais influente de todos os jogadores leoninos. In: Jornal "Record"


publicado por Izmailov7 às 19:39
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
31


.posts recentes

. Leão fura Metal(ist)

. Convocados para o Metalis...

. Izmailov iniciou a revira...

. Convocados para a desloca...

. Convocados para a recepçã...

.arquivos

. Março 2012

. Setembro 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Dezembro 2009

. Julho 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

.links

.Facebook

Facebook Izmailov7
blogs SAPO

.subscrever feeds